sábado, 23 de fevereiro de 2008

Meu mundo azul


Em algum outro lugar
Um lugar irreal
Onde tudo pode ser...
E nada, nada é.
Nada concreto.
Jogo de imagens
Imagens.... pessoas
Que se imaginam
Que se sonham
E se idealizam...

Um lugar onde não há carne e osso
Onde há reflexos
Um lugar aqui
Como eu queira...

As pessoas são
O sonho de mim
Não vivo do que é vivo
E caio alto
Caio profundo
Mergulho ilusão.

A realidade me olha distante
E eu insisto: não!
Prefiro meu mundo que é azul
Onde gente não precisa ter carne nem osso
Onde gente pode ter muito bom gosto
E ser do melhor jeito que se tem de ser.

E continuo a avistar,
ao longe,
A terra...
O chão.

E penso: Quando meu mundo azul tiver fim...
Será que aí então viverei?

9 comentários:

Mr. Ziggy disse...

Ora, claro que viverá, pois, acima do mundo azul, está o mundo colorido onde viveremos por todo sempre. Não se esqueça da Promessa. Bjos!

Filipe Garcia disse...

lembrei da alegoria da caverna, de Platão, onde existe um mundo perfeito de idéias perfeitas.

tb quero esse mundo, bárbara. De certa forma, a gente pode consegui-lo quando se escreve.

bjo

Juliana Caribé disse...

Seu planeta é azul, menina, é só olhar direitinho...

Jaya disse...

Bárbara,

Primeiro quero agradecer tuas palavras gentis e simpáticas lá pelo blog. Obrigadas! E engraçado você falar isso de Filipe, eu já tô ficando impressionada. Rs.

Moça, que lugar mais gostoso esse teu. Li alguns textos ali, e uns poemas aqui. Pronto. Se o mundo azul for assim, espero que ele não tenha fim tão cedo.

E o que é isso?

“As pessoas são
O sonho de mim”.

O pensamento foi ao céu. Acho que até agora continua lá. Palavras que não encerram.

Adorei aqui.
Um beijo.

:: Daniel :: disse...

Oi, Bárbara!

Azul é a minha cor preferida. Cor dos olhos da minha mãe, cor das minhas blusas, da mãe rainha do mar, do próprio mar de que tanto preciso pra viver essa "vida louca, vida", como diria Cazuza.

Ver o mundo azul é belo. Ter o azul como ideal, perfeito, é mais do que nobre. Azul é uma cor de realeza, mais do que o dourado, tão visado hoje em dia.

Prefiro as safiras azuladas do que uma coroa cravejada na cabeça. As safiras pesam menos e vão mais longe que a coroa. Elas simplesmente alcançam o céu nosso de cada dia.

Muito bonitas as suas palavras. E, mais uma vez, obrigado pela visita à velha casa! =]

Beijão,
Daniel

Guilherme Côrtes disse...

ei Bárbara, que surpresa boa a sua lá no meu blog. obrigado pelo comentário e pelo elogio.
assim, culpar o mundo (ou a vida) por não saber como lidar com ele é uma coisa ruim, né? mas é sempre bom ter alguma esperança, como no seu poema. a tristeza de quem sonha em não sofrer mais é bonita, e uma forma de entendimento com a vida também. escolher ser feliz é uma desisão complicada, né?
um beijo, terei prazer em voltar mais aqui.

J.S. disse...

Eu fico indecisa quanto à isso porque acabo criando defeitos até em meus mundos imaginários...mas aih eh q tah a graça da vida neh...sempre tem q ter algo a mais pra dar emoção!!!
Tb adorei teu blog...virei sempre aqui...obrigada pelo comentário e sinta-se à vontade!
Um abraço, menina!

Fernando Locke disse...

O mundo é azul! aliás,o mundo é da cor que nós quisermos que ele seja! os mundos não acabam, se unem! a beleza deles estã sempre unida! o real é belo e o ideal, bem...é o ideal! nós que fazemos o mundo! abraço!

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny