sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Vida de cinema


Os sonhos nos confudem
tal qual tela de cinema:
- Onde é o real?
De dentro da tela:
as poltronas, dos que assistem
e são assistidos.
O cinema nos assiste, meu caro,
somos todos ajudados.


Mas, e a mocinha?
Quer ela sair daqui?
Quer tocar o chão?
Deixar de voar e ver,
ver quem assiste sua TV?
Quer ela deixar a trilha sonora?
E voltar a vida em cores?
Será que quer ela encarar seus assistidos?
E ver se há mocinhos coloridos? Desafinados?
Será que quer ela uma vida real?
Quer descobrir se há por aqui um amor bonito?


Ah.. mocinha... olha para a vida!
Vê o seu desejo.
E se não gostar de viver...
Se não descobrir a música daqui,
pode voltar para seus sonhos,
pode voltar para as telas.
E tenha de volta sua trilha sonora,
guarde de novo seu afinado.
Mas vem dançar na chuva!
Se entregue ao viver....

2 comentários:

Gustavo Bianch disse...

"Ah.. mocinha... olha para a vida!
Vê o seu desejo.
E se não gostar de viver...
Se não descobrir a música daqui,
pode voltar para seus sonhos,
pode voltar para as telas."

Super profundo! Quero viver o desafio de sair das telas e deixar que meus sonhos apenas me representem, mas não me limitem à fantasia do não-lugar.

Mocinha esperta, texto lindo! rs

Bjos

Jaya disse...

Fiquei lembrando da música de Los Hermanos, Bárbara:

"Avisa que é de se entregar
O viver..."

(:

"Será que quer ela uma vida real?" Você disse. E isso virou motivo pra desfiar um monte de pensamentos meus. Teus textos carregam esse poder, SEMPRE.

Agora dá licença, que a chuva me convida pra uma dança.

Beijocas, moça.

P.S.: Mudei de blog, e de link. Quando puder - e se quiser, faz as alterações. Outro beijo.