sexta-feira, 18 de abril de 2008

Campanha contra o analfabetismo!



Mais que não decifrar códigos de escrita, ser analfabeta é viver à margem da sociedade. À margem de uma rotina de vida centrada na escrita. E nós, alfabetizados, nem percebemos, nem conseguimos imaginar mais como é viver fora da esrita, já que estamos tão acostumados a este estilo de vida.


Este post é em defesa de uma educação democrática de qualidade para que o saber seja direito de todos, que a cidadania seja plenamente exercida, que os olhares se voltem para os marginalizados, que os marginalizados tenham acesso à consciência de si, de seu papel social e que a luta nos leve a algum lugar. A um melhor que este!
O que fazer contra o analfabetismo?
1) Formação do educador - Acredito que cabe aqui citar Paulo Freire que nos deixou uma herança riquíssima e reconhecida internacionalmente. Os educadores devem investir na sua formação, o governo deve investir nessa formação! Paulo Freire (principalmente na Educação de Adultos) tem um papel importantíssimo! Que seja incentivado a leitura de seus textos, que seja real essa formação crítica e prática, rica teoricamente e capaz de relacionar com a rotina do trabalho.
2) O valor do Educador - O profissional da educação carrega consigo uma responsabilidade social muito grande e a sociedade civil tem o DEVER de reconhcer isso. É papel das autoridades e dos cidadãos valorizar o educador. Que seja reconhecido seu valor no aumento dos salários, no tratamento como um ser merecedor não só de respeito mas de admiração. Que seja reconhecido o valor do seu trabalho!
3) Que o educador tenha consciência de seu papel social, do que implica sua ação. E que sua ação não seja uma prática pela prática, mas que se baseie em uma reflexão e entendimento crítico, um entendimento que gere uma nova prática.
4) Que o governo invista na Educação Básica.
Que a luta contra o analfabetisnmo seja percebida na sua completude. Na sua completude já que não se restringe a aprender a ler e a escrever, pois não pode-se desconsiderar o processo de tomada de consciência! A luta não pode estar vencida se todos tiverem acesso à 1ª série do ensino fundamental. Se isso acontecer, será um avanço, mas não o fim da luta! Pois a luta é por essa consciência, é por uma Educação completa, uma Educação democrática de qualidade!

Um comentário:

Georgia disse...

Barbara você separou muito bem os pontos e os definiu melhor ainda.
Formar um bom professor, o valor desse educador, eu diria a qualidade do ensino desse educador, a consciência do educador,e finalizou com a educacao básica apoiada pelo governo. Perfeito!!!

Querida, muito obrigada pela participacao e apoio.

Um abraco grande