sexta-feira, 18 de julho de 2008

Momento de falta


Ultimamente as palavras têm me faltado em variados momentos. Inclusive nos que a maioria teria muito a dizer, acredite: nesses também! Acho que esse meu diagnóstico pode ser devido à férias!(Será?) Bem, já ouvi casos em que causasse isso em alguns. Acho que a sobra de tempo, o lazer em excesso... bem, num sei. Talvez não. Talvez seja só um momento em que minha língua e o que vem antes dela na produção da fala, de greve estejam. Na verdade, meu estado não é tão caótico assim, não me emudeci por completo, se não nem aqui estaria. Ora, o que é esse momento senão uma expressão de palavras?

Aliás, vê se não é engraçado essa vida de fingir de escrever? Falo aqui sobre o que me dificulta nesses últimos tempos e, posso assim, justificar minha escassa produção. Porém, minha intenção neste texto vai além dessa justificativa. Quero também refletir sobre o silêncio, ainda que faça isso tagalerando...


Há quem diga que ele incomode, há quem o interprete como vazio. Há quem fuja deste momento. Há quem fique ansioso com sua presença. E sabe? Na maioria das vezes assim o sou. Porém, quando as palavras me somem, não tenho escapatória: tenho de encarar o silêncio! Tenho de enfrentá-lo e descobrir, então, o que há mim. Pois, quando nos silenciamos, podemos ouvir-nos por dentro. E abrir nossos sentidos, ouvindo o que é que haja para ouvir que a turbulência outrora nos ensurdecia. Podemos aprender na quietude. Conosco mesmos. Com ele. E ai é que percebemos o valor desse momento de estarmos sós com o silencio. Percebemos que o vazio pode ser recheado de significado.
De repente o meu momento de falta é valioso.
Talvez não precise mais chamar de “diagnóstico”, que remete a doença.
E porque posso encontrar ali meu Salvador.

4 comentários:

... disse...

Belíssimo silêncio tagarela esse o seu!
Que o tesouro da sua alma seja descoberto de mansinho...
Abraços silênciosos (para não te encomodar)

BIANCH, Gustavo. disse...

Acho que vc está calada é por causa dos cisos arrancados! uhauhauhauha

Lembrei do Renato Russo: "E o teu medo de ter medo de ter medo
Não faz da minha força confusão"

Bjos

Filipe Garcia disse...

Oi Bárbara,

tem um tempo já que não comento aqui. E já tava com saudade de textos novos.

O silêncio é cheio das suas riquezas. Achei bonito o final, quando você diz que, no silêncio, encontra o Salvador. Deus é mesmo assim, fala na quietude, fala por meio da paz que nos dá ao coração.

Gostei bastante da reflexão!

Um beijo

Fernando Locke disse...

o Silencio éum dos prazers q poucos apreciam. no silencio que as mais belas palavras são ditas e os mais puros pensamentos surgem. Tá de parabéns. e não se entristeça, isso que vc disse acontece com todos,já me faltouo q ue dizer em momentos q é possivel fazer uma enciclopédia! shuahsuashua! abraço!